Como vão indo as galinhas e as vacas

Iniciamos fevereiro com um dia quase ensolarado. Depois da “Super Lua Azul de Sangue” que só pode ser vista aqui por volta das 2:00h da madrugada, quando afinal o céu ficou limpo, o astro rei, nosso tímido amigo o Sol, resolveu aparecer!

No mês de janeiro tivemos aqui 5 dias sem chuva, então dá pra imaginar como estavam as coisas por aqui. Tudo muiiiito molhado.

No dia 20 de janeiro nasceu o Acácio, filho da Fafá e neto da Miucha. Uma enorme surpresa, ele é um “holandesinho”! Saiu a cara da avó.

Chegada do Acacio

Ainda estamos imaginando o que pode ter acontecido, pois foi feita inseminação artificial e era para o pai ser Jersey, mas o meu vizinho tem um tourinho Holandês. Quem sabe alguém pulou a cerca.

Bem, com todos esses dias de chuva os bezerros acabaram ficam amuados e adoeceram. Por sorte minha filha é veterinária e já tratou os dois. Agora está tudo bem.

Essa é a Amora com 13 dias.

Amora com 13 dias

Infelizmente aqueles ovos que estavam na chocadeira não vingaram. Mas os dois que nasceram se desenvolveram bem.

pintinhos se esquentando

Na falta da mamãe eles deram um jeito de se esquentar.

Mas, como sempre achei que quem sabe cuidar melhor dos filhos são as próprias mães, esperei anoitecer e levei os pequeninos para o galinheiro.

As duas galinhas estavam dormindo juntas e acocoradas sobre os outros pintinhos. Coloquei os dois debaixo delas e depois de um pequeno alvoroço perdi os dois de vista, escondidos sob as asas protetoras das mamães.

pintinhos com a galinha 1

E assim foram readotados com sucesso.

O que mais me chamou a atenção foi que as duas galinhas compartilharam o ninho, os ovos e depois os filhotes. Ao todo nasceram 5 pintinhos dos 10 ovos e as galinhas compartilharam a guarda deles, ora uma cuidando de dois ora cuidando de três. E ai de alguma intrusa que se metesse entre eles!!!!

Tenho um canteiro pertinho da porta da minha cozinha onde pretendia ter uma pequena horta, mas acabou se transformando em um berçário.

canteiro bercario

Escolhi um feijão para cozinhar e o refugo joguei no canteiro. Semana passada colhi o que a chuva não estragou. Algumas poucas vagens que me servirão de semente para o próximo plantio.

feijao escolhido

Tinha guardado também uns poucos grãos de um feijão que colhi aqui em casa já a uns dois anos. Esses grãos estavam em um pequeno altar onde agradeço pelas benesses da vida. Por esses dois anos ficaram ali e não murcharam nem caruncharam e então resolvi plantá-los no meu canteiro-berçário.

Bem, nem todos vingaram, mas o pé que vingou ficou assim

feijao 1

Mas vejam o detalhe de como estava o caule

caule quebrado

Na próxima postagem coloco as belíssimas vagens que se formaram e que pretendo colher em breve.

A natureza me ensina coisas maravilhosas todos os dias e é por isso que não troco essa minha vida por nenhum luxo da cidade.

Feliz Fevereiro a todos!

 

One response to this post.

  1. Posted by Wagner A Tavares on 2 de fevereiro de 2018 at 11:17

    Muito boa a descrição do nascimento do bezerro e da aventura dos pintinhos, galinhas e dos pés de feijão de modo caseiro. Parabéns pelo empenho, aguardo novas notícias.

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: